Avaliação:

O Vinik VX Gaming Void é um mouse ultra-leve barato e com RGB. Apesar de não funcionar para e-sports, que são o principal foco de mouses ultra-leves, ele é uma ótima opção para quem está começando ou para quem quer uma vantagem adicional em jogos de tiro.

Ele é bem mais barato do que outros mouses no estilo ultralight vendidos no Brasil como o Redragon Storm M808-RGB e o HyperX Pulsefire Haste, mas as opções de personalização e o desempenho do sensor do VX Void não estão no mesmo nível desses dois.

Faz sentido investir em um mouse gamer somente pela leveza? Em alguns casos, sim. Leia a minha análise completa abaixo e descubra onde o VX Void se sobressai e onde ele deixa a desejar.

Pontos positivos ✓

  • Muito leve
  • Ajuste de DPI com 7 níveis
  • Sensor preciso
  • Visual impressionante

Pontos negativos ✗

  • Sem software próprio
  • Poucas opções de RGB
  • Design ambidestro menos confortável

Sumário

Ficha técnica do mouse Vinik VX Void

  • Tamanho: 125mm x 65mm x 35mm
  • Peso: 100 gramas
  • DPI: 800 – 7600 DPI
  • Conexão: Com fio (1,8 metros)
  • Número de botões: 6 + scroll
  • Sensor: Óptico (modelo não informado)
  • Software próprio: Não
  • RGB personalizável: Parcial

Desempenho

A performance do Vinik VX Gaming Void definitivamente não está no nível de mouses gamers profissionais, mas é boa o suficiente para não atrapalhar as partidas. É um mouse preciso e responsivo, sem nada que o destaque dos demais mouses de R$ 80 além do peso.

Como esse é o grande destaque do Vinik VX Void, vamos falar do peso: com cerca de 100 gramas, ele definitivamente está entre os mouses gamers de tamanho completo mais leves vendidos no Brasil.

Isso realmente torna o seu manuseio mais rápido durante jogos de tiro em primeira pessoa, apesar de fazer menos diferença em qualquer outro gênero. Na próxima seção eu vou falar mais da ergonomia dele e como isso afeta (ou não afeta) cada tipo de jogo.

O Vinik VX Void tem sete botões no total contanto com o scroll, que é emborrachado e texturizado, com uma sensação tátil entre linhas bem sutil. Não há informações sobre os switches usados, mas a sensação de clique é bem estável e o ruído está dentro dos padrões de mouses gamers, no geral os botões são de boa qualidade.

Todos os botões no VX Void são confortavelmente firmes.

Os botões laterais também são estáveis e firmes na hora de apertar e estão em uma posição confortável. Os botões abaixo do scroll controlam a iluminação e o DPI pré-configurado com sete níveis: 800, 1600, 2400, 3600, 4800, 6400 e 7800 DPI.

O mouse Void VX não possui software de personalização próprio. Se você quiser modificar as funções dos botões vai precisar usar um programa de terceiros, alguns jogos permitem modificar os botões enquanto o game está ativo.

Isso significa que não tem como modificar os níveis de DPI e limita bastante as opções de RGB. Não torna o mouse inutilizável mas existem opções mais baratas com ótimos softwares de personalização, é difícil justificar a falta dele nessa faixa de preço.

O cabo é trançado, como é de se esperar, e mede 1,8 metros. O mouse desliza bem pela mousepad, a leveza do periférico definitivamente ajuda nessa parte.

Sensor

A Vinik não divulga qual sensor é utilizado no mouse Void VX, nem na ficha técnica nem na embalagem. Isso é bem comum em mouses de menos de R$ 30, mas o Void VX custa o triplo disso e definitivamente deveria fornecer essa informação básica.

O que torna essa falta de transparência ainda mais estranha é que o sensor usado no Vinik Void VX é muito bom. O ponteiro se mantém preciso mesmo na DPI máxima de 7800, consegue rastrear a alguns milímetros acima da superfície e permite trocar de DPI sem perder a posição atual. Seja qual for o nome, é um sensor de qualidade.

O sensor usado no Vinik Void funcionou bem em todas as superfícies testadas.

Não senti nenhum dos problemas comuns associados a sensores ruins, como perda de posição, aceleração inconsistente ou a sensação de que o ponteiro se move mais lentamente do que deveria. O Void VX tem uma das melhores performances em mouses que custam menos de R$ 100 que eu já testei.

Algo que comprova a eficiência do sensor é que esse mouse deixa bastante luz vazar na parte inferior. Isso geralmente causa problema de rastreamento em sensores mais básicos, mas o utilizado no VX Void não perdeu a posição atual em nenhum momento.

No geral o Void VX tem uma boa performance que condiz perfeitamente com o preço cobrado. Não é nada que surpreenda e não vai servir para e-sports, mas funciona muito bem para qualquer gênero, mesmo para FPS que requer a maior precisão possível.

Confira também: Análise do mouse Cougar Minos XT e Análise do mouse Havit MS1001.

Conforto e ergonomia

O Void VX é mouse de tamanho padrão. Ele mede 125mm por 65mm e funciona bem para todos os estilos de pegada principais (claw, palm e fingertip). Apesar do tamanho ser perfeito para a maioria dos jogadores, o formato dele é “ambidestro” e isso o torna menos confortável do que mouses destros.

Coloquei ambidestro entre aspas pois os botões laterais estão no lado esquerdo e obviamente só podem ser acionados de maneira confortável pelo dedão da mão direita.

O problema com esses mouses ambidestros espelhados é a falta de suporte lateral, que permite que os dedos e a parte de baixo da palma fiquem em uma posição natural e que se encaixa melhor. Eles não são desconfortáveis, mas são menos confortáveis do que um mouse focado em apenas uma das mãos.

O VX Void tem uma curvatura bem acentuada, é uma pena que ela não se estenda nas laterais.

O acabamento é fosco e não possui nenhuma textura no plástico, mas não senti que isso tornou o mouse menos aderente. Ao apertá-lo o plástico não estala muito e não há nada solto na parte interna.

Obviamente o maior diferencial do Vinik VX são os furinhos na carcaça de plástico. Eles servem principalmente para tornar o mouse mais leve e são chamados de honeycomb, ou favo de mel em Inglês. A primeira vez que você usa pode ser estranha, mas depois de um curto período de adaptação a sensação é confortável.

Os furos também otimizam o fluxo de ar e podem ajudar quem sua muito durante os meses mais quentes, especialmente se você usa o estilo palm/palma, que tem mais contato com o mouse. Claro, você vai ter um pouquinho mais de trabalho na hora de limpar as perfurações.

Iluminação

Como dito nas seções anteriores, o Vinik VX Void não possui software próprio para ajustar as configurações. Isso também afeta a iluminação RGB dele, que é bem bonita mas possuí apenas alguns poucos presets para escolher.

São três áreas distintas de iluminação: no scroll, na lateral e na parte central, que é a mais visível por conta dos furos. Na maioria dos modos elas não possuem muita distinção, os próprios modos parecem ser bem aleatórios.

As luzes do Void VX não são muito fortes, mas são bem projetadas.

No geral eu achei a iluminação dele muito bonita, está no meio termo entre as mais espalhafatosas encontradas em mouses gamers de baixo custo e o estilo mais minimalistas dos mouses mais atuais. Só não dá pra negar que a falta de um software próprio é um ponto bem negativo.

Mouses nas faixas de preço abaixo do VX Void possuem iluminação RGB completa e ajustável, então é difícil de entender a falta dessa característica nele.

Caso você esteja cansado do show de luzes, você pode desligar a iluminação, é só clicar no botão DPI até chegar no modo desligado.

Uma característica interessante é que o mouse tem três opções de cores: preto, branco e rosa. Poucos mouses disponíveis no Brasil tem essa distinção. Não substitui um RGB mais completo mas ajuda a combinar o mouse com seu estilo ou com a decoração do ambiente,

Acho que também é uma boa hora pra falar que o site oficial da Vinik, cujo o endereço está na embalagem, mostra um erro de segurança do navegador por conta de um problema no certificado SSL. Isso definitivamente não passa muita confiança para o consumidor.

O mouse Void VX é bom?

Sim, o Void VX é um bom mouse e é a melhor opção ultra-leve barato disponível a venda no Brasil. Ele é preciso, tem uma boa variação de DPI e custa a metade do que outros mouses ultralights de marcas mais famosas.

Com isso dito, o desempenho dele não está no nível profissional e a leveza não faz muita diferença fora do FPS competitivo. O público-alvo principal aqui são jogadores de FPS competitivo mas fora das modalidades profissionais.

Não significa que o Void VX não seja um bom mouse para outros perfis gamers, mas se você estiver disposto a comprar um mouse um pouco mais pesado, existem opções mais confortáveis e personalizáveis por um preço menor. Só você pode decidir se a leveza dele vale a pena.

Prós

  • Muito leve
  • Ajuste de DPI com 7 níveis
  • Sensor preciso
  • Visual impressionante

Contras

  • Sem software próprio
  • Poucas opções de RGB
  • Design ambidestro menos confortável

O Vinik VX Void vale a pena?

Se você joga muitos games de tiro em primeira pessoa, sabe que o gênero favorece mouses muito leves, e o Void VX oferece exatamente isso. Você não o verá em competições de alto nível, mas esse mouse da Vinik pode te dar uma vantagem em partidas ranqueadas.

O Void VX é um mouse bem construído e com bom desempenho, mas existem opções com desempenho ainda melhor por um preço menor, elas só pesam mais.

O Fortrek Pro M3 e o Pro M7 são as duas alternativas que eu indicaria se a leveza não for seu quesito principal de decisão. Eles são mais confortáveis, tem um sensor confiável e software próprio para ajustar o DPI, a iluminação e macros.

Se a leveza for importante e você quer investir em um mouse que possa lidar com cenários de e-sport ou só quer a melhor qualidade possível, os já mencionados Hyperfire Haste e Redragon Storm M808 são os mouses ultra-leves de referência mais populares no país.

E se você tiver paciência de abri-lo para remover o peso interno, o Redragon M711 FPS é um dos melhores mouses intermediários, com um desempenho muito superior e com um peso quase igual — mesmo não sendo vendido como um mouse ultra leve.

Avaliação:

Posts Similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *